Sexta-feira

Um dos únicos lugares que temos frequentado aqui em casa no último ano é o supermercado. Invariavelmente, tem gente na porta, gente que vive na rua e é obrigada o tempo todo a submeter a dignidade à sobrevivência.

Em uma das últimas vezes, minha companheira foi sozinha. E ouviu o pedido por uma bolacha.

Nós nunca negamos esses pedidos. Podemos comprar algo a mais, então por que não? Não nos faz heróis, nem resolve o problema da fome, mas permite àquela pessoa comer, ainda que pouco, ainda que insuficiente.

Minha companheira fez as nossas compras e adicionou a bolacha, um bolo e um suco. Quando entregou a sacola, ouviu uma frase, acompanhada de um olhar de surpresa, que grudou na cabeça dela, depois na minha e agora ofereço a você:-

– É tudo pra mim?


Hoje almocei cedo, porque nas últimas duas semanas sou obrigado a sair de casa, pegar uma hora de trem, mais quinze minutos de caminhada, para dar uma aula de cinquenta minutos presencial para dez alunos, enquanto manejo a câmera e o computador para que os outros trinta me vejam pela tela.

O tal do ensino híbrido.

Depois dessa aula, eu tenho um intervalo de uma hora e cinco minutos, e na sequência mais duas aulas de cinquenta minutos completamente remotas. O intervalo é insuficiente para voltar para casa de trem. Ficar na escola significa ter que pegar o trem das seis e meia da tarde, fazer baldeação em uma das estações mais lotadas da cidade. Resolvi então voltar, ainda no intervalo, usando um carro de aplicativo.

O horário de chegada que o aplicativo me deu era três minutos antes da primeira das duas aulas. No caminho, vim fazendo as contas, ou melhor, confirmando: o valor da viagem era maior do que a hora-aula que eu tinha acabado de dar – sem contar a passagem de trem. Perto de casa, o trânsito parou, o que significava atraso do professor, inadmissível já que eu poderia ter ficado na escola. Então, enquanto orientava o motorista a fazer outro caminho, conectei na plataforma pelo celular para começar a aula ali mesmo.

No desvio feito pelo carro, passei em frente ao mercado. Do lado da porta, um homem sentado, talvez o mesmo que fez a pergunta para a minha companheira, talvez outro. Aqueles segundos de passagem me fizeram colocar o que eu sentia, que eu não sei bem nomear, em perspectiva – afinal, por pior que fosse a minha situação, eu não conheço a fome. Mas o barulho do pedido de autorização de mais um estudante para entrar na sala de aula virtual me trouxe de volta para o celular.

Entrei em casa literalmente correndo. Minha companheira tinha passado um café e enchido minha garrafa de água, e sentiu um perfume estranho em mim: provavelmente um odorizante do carro, que eu não havia notado por conta das duas máscaras. O cheiro era forte e enjoativo. Tirei as máscaras rapidamente, lavei as mãos e o rosto e sentei em frente ao computador. Meu atraso tinha sido de três minutos mais do que os cinco que costumo dar de tolerância para que a turma entre na sala. Abri o microfone, a câmera, me percebi completamente descabelado, e comecei a aula pela mesma pergunta que tinha feito na aula presencial, exatamente duas horas antes:

– O que é uma cidade?


Nos últimos meses, tenho pensado muito sobre o trabalho. Não o meu emprego, ou melhor, os meus empregos, mas o trabalho, o ato de transformar a natureza com o objetivo de facilitar a vida humana. A forma como valoramos isso, e como desvalorizamos alguns tipos de trabalho, mais ou menos aqui ou ali, de acordo com onde estamos.

Hoje olhei para a minha própria pergunta, o que é uma cidade, e dei de cara com a questão impossível do homem na porta do mercado. E percebi que quanto mais eu envelheço, menos eu entendo, a cidade, o trabalho, a vida e, principalmente, os valores de cada uma dessas coisas.

Tomara que esse cheiro saia com um banho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s