45 dias de norte: dois punks brasileiros sem dinheiro pela Europa – dia 24

Em 2012, fiz uma viagem sem muito dinheiro junto com um amigo pela Europa, abusando de hospedagem solidária, comida barata, comida grátis, comida do lixo e de vez em quando comida boa.

Na época, escrevi um diário, agora publicado dia por dia neste blog.

Dia 24 – Cariocas, indonésia e italianos

É oficial: nossa barraca é a pior do acampamento. Quer dizer, a pior montada. Deu até orgulhinho punk de tão ruim, hehehe. Depois de dormir pouco e mal, passando frio, e acordar com o forno que virou aquilo às 8h30 da manhã, mexemos um pouco na barraca, depois ligamos o “foda-se” e fomos pro funiculaire, pegar o bicho lá pra baixo. Tinha duas conversas de manhã que queríamos ver: veganismo e anarquismo e uma mesa-redonda sobre anarco-feminismo. Tentamos a de veganismo, no Espace Noir: lotada, e com a tradução do francês pro inglês sendo feita meio no canto da sala. Um calor desgraçado. Ficamos 5 minutos e fomos pra mesa de anarco-feminismo, na Sala de Spetacle. Melhor, com tradução com aqueles fones de ouvido. Era uma mesa aberta, então muitas falas eram chaaaatas e até bobas. De repente encontramos a Mix[1], que tava com o companheiro. Cansamos rapidamente das falas e descemos pra feira de livros, junto da patinoire (cozinha).

A feira estava montada no ginásio de hóquei no gelo da cidade. Banquinha pra cacete, de todo canto. Demos uma olhada sabendo que passaríamos vontade, porque além da falta de grana, o fato de ter que pegar mais vôos da RyanAir nos impedia de carregar mais (muito) peso. Dando uma volta, encontramos o Gabriel Kuhn, que ficou tão feliz de nos ver quanto nós de vê-lo. Nos autorizou a traduzir o livro dele[2] do inglês pro português. Falamos rapidamente sobre a palestra dele, disse que foi boa mas meio corrida. Percebemos que todo o encontro acabaria sendo assim. Dando mais uma volta, achamos a banquinha da Federação Anarquista Francófona, que tinha o livro em francês que o Wally tinha nos mostrado na noite anterior. Custava 10 francos. Resolvi esperar encontrar o Wally pra ver se ele não doava um pra gente. 

Já era hora do almoço ali mesmo, então entramos na fila pra comer. Depois de comer tinha fila pra lavar louça. Isso mesmo, fila pra lavar louça. Da sessão filas pra fazer coisas que odiamos, tipo pagar conta. Antes disso, porém, enquanto comíamos, encontramos com o Beto e a Sheila, os cariocas de Berlim que tinham vindo de carona. Também conhecemos, junto com ele, o Nelson e a Bia, também do Rio, membros da Organização Anarquista Terra e Liberdade (OATL), e a Raquel, carioca que vive há 5 anos em Lyon, na França. Ela tava fazendo tradução em algumas mesas do encontro. Todos muito gente boa, barulhentos e engraçados. Durante o almoço discutimos sobre as traduções e a viabilidade do esperanto para o mundo, além de falar dos campings – Beto tava no de baixo e disse que ele é bem melhor, então decidimos mudar a barraca pra lá de noite. Também falamos da contínua falta de pegação no camping. Muita falta de sacanagem, viu, Europa.

Voltando pra feira de livros, encontrei o Wally, que me deu o livro de presente. Ele tinha feito também camisas do encontro, vermelhas e pretas, com nomes de clubes imaginários homenageando anarquistas e acontecimentos: AS Kropotkin, FC Bakunin, etc. A idéia dele era um campeonatinho entre as federações, mas não tinha rolado de organizar. Acabei ganhando uma camisa do FC Sacco-Vanzetti. Mais tarde o Allan ganhou uma do FC Bakounine e outra do AS Bookchin. Wally é um cara muito legal, e deixamos as camisas do Auto pra vender na banquinha dele. Sugerimos 20 euros, ele disse que 15 era mais justo. Como era ele quem ficaria ali, não discutimos muito. Subimos pra pegar a mesa dos anarquistas israelenses contra o muro construído pra isolar a Palestina.

Chegamos lá tarde demais e a sala tava completamente lotada. Sem chances. Fomos então pro Espace Noir, ver uma discussão sobre a subida da direita e os movimentos antifa pela Europa[3]. Começou falando o Bob, da Federação Anarquista Britânica, que usava uma peita do FC United. Cara engraçado, do tipo gordinho bonachão. Depois troquei uma idéia de futebol com ele. Falaram depois franceses da Aliance Libertaire sobre o Front Nacional, partido de ultra direita, e o surgimento de centros sociais fascistas, com um discurso de que existira um “racismo” anti-cristão na França e um racismo contra os brancos. O cara os chamou de integralistas, mas não sei se tem a ver com o integralismo brasileiro. Disse ainda que esses caras pregam os “direitos do branco” e atacam clínicas de aborto, e mesmo assim são tolerados. Até marcha deles é autorizada, enquanto as marchas muçulmanas são bloqueadas.

O papo continuou com um grupo suíço falando sobre conectar as lutas antifa pelo mundo e sobre oficinas antifa nos bairros pobres. Fiquei imaginando um bairro pobre na Suíça, onde o salário mínimo é 2.800 francos. Mas deve ter, capitalismo cria ricos e pobres em qualquer canto. Em seguida, falou uma menina croata, sobre o nacionalismo na Croácia e na ex-Iugoslávia. Ela disse que falar contra Jesus na Croácia é quase pedir pra ser linchado, e que com isso os grupos fascistas usam o catolicismo como bandeira pra chamar gente. Disse ainda que o anarquismo lá é bem mais “estilo de vida” e que tem pouca gente militando e pensando um anarquismo social, por isso a criação do grupo deles, que chama Masa, que me pareceu seguir uma linha especifista. Acabadas as falas, troquei uma idéia com ela sobre o fascimo nas torcidas de futebol da ex-Iugoslávia e fomos ao mercado.

Tive que comprar chocolate suíço, claro. Só que, como era MUITO caro, comprei um baratinho que nem era nada demais. Corremos então pra pegar a conversa sobre centros sociais, pra falar da Casa Mafalda. Nessa chegamos a tempo. Começaram as falas sem saberem muito que encaminhamento dar e geral decidiu que cada centro presente poderia falar um pouco de sua história. Primeiro falou o Espace Noir, que existe há 26 anos e é totalmente vinculado à prefeitura em termos de subsídio, tendo apoio pra tudo, inclusive pro encontro. Aliás, a cidade tem a foto do Bakunin na prefeitura e um hotel Bakunin também, bizarro demais. A institucionalização do Noir permitiu existirem esse tempo todo e fazer uma pá de coisa, mas sempre com vínculo governamental. E anarquista com vínculo governamental soa um pouco… contraditório. A segunda fala conseguiu ser ainda mais bizarra: um squat na França que negociou com o governo e vendeu o terreno por UM MILHÃO E MEIO de euros, destinados à construção de outro prédio pra continuarem funcionando. No lugar onde estão, um complexo gigantesco que tem até quadra e time feminino de hóquei, será construído um mega centro empresarial. Bota contradição nisso. Tá fácil ser anarquista na Europa, viu. Um milhão e meio, e a gente se matando pra manter a Casa Mafalda.

Chegou a minha vez e falei da Casa Mafalda, contando dos nossos problemas e realidades. Disse que estava sendo importante conhecer a realidade deles e fiz uma pergunta meio provocação sobre como lidavam com os problemas financeiros. As três falas seguintes nem sequer tocaram numa possível resposta. Cansamos da conversa (a tradução, feita espontaneamente com as falas sendo interrompidas a cada “parágrafo” pra serem traduzidas, cansa demais) e fomos embora. Na saída uma alemã chamada Anna veio falar comigo, disse que gostou da minha pergunta e fez a crítica de que ninguém toca nessa assunto porque é “inconveniente”, vai ter que falar que abaixou a cabeça pro Estado. Legal isso.

Demos uma perambulada pela cidade e descemos pra jantar na Salle de Spetacle. Finalmente, lá, encontramos o Rodrigo e o Adriano da Biblioteca Terra Livre. Assim como a Mix, tavam dormindo numa casa a 10km dali, no colchãozinho, bonitinho e pá. Privilegiados, hehe. Botar a bunda no chão duro nem pensar né? Bom, brincadeiras a parte, como eu queria um colchãozinho…

Encontramos também o Leo, que tinha vindo pra um show de hip-hop. Como tínhamos que trocar a barraca de lugar, subimos no funiculaire das 19h45, achando que tinha um a cada 30 minutos até meia noite. No funiculaire conhecemos dois caras de Stuttgart, bem gente boa. Fomos Roberto, Sheila, Allan e eu o mais rápido que deu pro camping de cima pra desarmar a barraca e armar no de baixo, mas quando estávamos começando a armar resolvemos conferir os horários do funiculaire. Eram 20h25, exatamente a hora em que descia o último antes das 23h30. Fudeu. Fodidos por fodidos, montamos a barraca, que com luz solar (sim, 20h25 com luz solar, bastante ainda) e a ajuda dos ex-escoteiros Roberto e Sheila foi bem mais fácil. Ficou bem melhor. Como no camping de baixo tinha chuveiro, estilo chuveiro do “Nascidos para matar” mas com água quente, Beto e Allan tomaram banho.

Sem vontade de esperar até 23h30, resolvemos pegar a lanterna e descer a pé. Nesse caminho conhecemos Luna, uma menina da Indonésia com a qual meu santo bateu bastante. Pra completar ainda vai pra Lausanne depois do encontro, até ofereci carona pra ela e ela disse pra guardar o lugar que era bem possível que precisasse. Fomos indo a pé, um breu absurdo, lembrando de filmes de terror, Beto fazendo piada e querendo que eu apagasse a lanterna, Luna bolando um baseado com tabaco (tínhamos acabado de fumar um feito com tabaco, o que tinha me deixado puto) enquanto andávamos. Carros passavam e a gente pedia carona. Logo depois de acender o baseado, um deles parou. Éramos cinco, tinha lugar pra três. Fomos Luna, Sheila e eu. Dentro do carro, não resisti e dei uns pegas no baseado com tabaco. Merda.

Chegando lá embaixo, fomos procurar a Jéssica, brasileira de Santa Catarina que já esteve na Casa Mafalda. Ela estava com a tequila que a Sheila tinha comprado. Encontramos ela e os outros e outras cariocas e também o Calvino, angolano que estava ficando/trabalhando no Espace Noir. Jéssica e ele ficaram por lá, o resto fomos pra Salle de Spetacle ser punk na porta do show, porque 8 euros pra entrar era absurdo. Muita gente tava na mesma situação. Em frente à sala, tinha um painel de reclamações, com algumas bem ridículas, como “vi pessoas com lenço palestino, isso é anti-semitismo” (depois descobri que rola um movimento na Alemanha chamado anti-deutsch[4], que é pró-Estado de Israel e tudo). Outras eram mais sensatas, como uma feita por um cadeirante que era a mesma coisa que eu tinha falado quando chegamos: encontro totalmente nota zero em acessibilidade. O cara ainda tirou uma escrevendo que pra além das muitas escadas e ruas de paralelepípedo, “como um cadeirante poderia escrever esta reclamação?”, já que o papel tava na altura da minha cabeça. Mandou bem.

Ficamos ali tomando tequila e depois fomos pro Espace Noir. Ali rolou uma discussão bem legal sobre escolas que tentam abolir gênero e as consequências disso pra vida da criança fora da escola, que depois passou a ser sobre escolas libertárias e o abismo que se cria entre a escola e a realidade fora dela. Acabamos todos meio que concordando que todas essas escolas são muito loucas e tinha que ter mais, mas que tem que rolar um baita esforço pra mostrar que o mundo fora é bem diferente, se não vira uma bolha que mais atrapalha do que ajuda.

Como era quinta, o último funiculaire era 0h45, então nos encaminhamos pra ele. Na caminho, meio bêbados e brisados, ficamos zoando uns italianos de maneira babaca. O cara falando com o Allan e eu cortei e entrei com um “Itália! Baresi! Cannavarro!”, ele ficou meio sem graça mas até curtiu eu ter lembrado do Baresi. Ainda meti um “Dino Baggio!” e ele riu. Pegamos o funiculaire ainda zoando o modo italiano de falar e segundo relatos (eu não me lembro) o Allan gritou coisas no camping como “acorda europeu rico!”, enquanto eu falava “fucking italians!”, ao que fui meio que interpelado por um italiano que disse “hey hermano, io soi italiani!”. Disseram ainda que eu fiquei 20 minutos enaltecendo o Cartola por sua genialidade. O que eu lembro mesmo é que sentamos na mesa do camping em que estávamos, bebemos vinho e fumamos um e depois eu capotei bonito na barraca.


[1] Amiga que jogava no Autônomos FC e depois ajudou a fundar o Rosanegra Ação Direta e Futebol.

[2] Football against the state. Não participamos, mas ele foi traduzido pro português anos mais tarde.

[3] E ainda era 2012…

[4] Só achei em inglês: https://en.wikipedia.org/wiki/Anti-Germans_(political_current)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s