A classe

O Sandro, com sono, não via o Miguel imitá-lo por baixo da máscara branca, dessas de farmácia. A Ana e a Marta, de máscara rosa, faziam pose pra tirar uma selfie juntas, tentando superar as duas carteiras obrigatórias de distância. O Ramon atirava bolinhas e dava risada, que ninguém via por conta da máscara personalizada com a foto da família orando na igreja que o pai mandou fazer. O Diogo, com os velhos problemas de dicção, estava ainda mais ininteligível com aquela máscara azul celeste do Manchester City. A Bianca, impaciente, mexia sem parar nos elásticos da máscara preta, feita de algum resto de camiseta. E o Sérgio debruçado na carteira, cheio de raiva, máscara com a bandeira do Brasil.

– A Amanda?

– Não veio, professor. A mãe dela não teve dinheiro pra comprar máscara.

(miniconto selecionado no concurso Arte como Respiro: Múltiplos Editais de Emergência – Literatura, promovido em 2020 pelo Itaú Cultural)

Um comentário em “A classe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s